Por que o preço do Blue Label é mais alto do que de outros blended whiskies?

| Curiosidades | Johnnie Walker | Whisky
Não é só o sabor que é levado em consideração na hora de escolher o whisky ideal. Há outro fator muito importante na hora de decidir comprar ou não a tão desejada bebida: o preço.

Mas o que justifica o valor de uma bebida? Há rótulos que possuem preço acima dos demais. Um desses casos é o Johnnie Walker Blue Label.

Preço do Blue Label

Blend requintado, considerado por muitos uma obra-prima, ele é feito a partir dos mais excepcionais whiskies escoceses de malte e e de grão. Somente um a cada dez mil barris possui a qualidade para a produção da famosa linha da Johnnie Walker.



Outro ponto igualmente importante na hora de compreender a razão do preço do whisky são suas características. No caso de Blue Label, trata-se de um Blended Scotch Whisky de luxo, mas também de sabor perfeitamente equilibrado, ou seja, acessível.

"A ideia é que ele seja um produto exclusivo, muito sofisticado, mas que seja aspiracional para qualquer pessoa, mesmo para aqueles que não são aficionados por whisky. Por isso, por exemplo, que ele é um super presente para uma pessoa especial ou para marcar um momento super importante da vida", destaca o especialista em whisky Maurício Porto.

"E para ser aspiracional, sensorialmente, ele tem que ser acessível. Ele tem que agradar a todos os paladares e é realmente muito difícil conseguir isso que o Blue Label consegue. Ele é um whisky super complexo – há notas de caramelo, frutas maduras, frutas secas, pimenta do reino, mel e fumaça. Tudo está lá, tudo está no lugar, e nenhum sabor se sobrepõe ao outro. Ele é a demonstração da técnica do master Blender", acrescenta.

Além disso, há detalhes no sabor que definem muito bem o que é o Blue Label e o tornam um investimento bastante interessante.

"Ele é também super delicado. Essa delicadeza faz parte de sua sofisticação. Se ele fosse muito intenso, ou muito desequilibrado para determinada nota, como certos single malts, ele perderia público. O álcool dele é super bem integrado e quase não consegue ser percebido. E a madeira está lá, e os whiskies de grão são claramente bastante maturados, porque já perderam as arestas pontiagudas que whiskies jovens têm. Ainda que ele não tenha idade declarada, podemos sentir que não é um whisky jovem", comenta Porto.

"E tem, também, a questão da raridade. Boa parte dos maltes que estão lá são bem difíceis de conseguir. Seu coração é o Royal Lochnagar, que é um whisky difícil de se encontrar com muita maturação. Além disso, o whisky inteiro é pensado como uma experiência de luxo. O estojo é maravilhoso, elegante e imponente. A garrafa é alta e de um vidro azul, que remete às antigas garrafas da Johnnie Walker. Tudo nele é pensado nos mínimos detalhes para trazer luxo", finaliza.

Sobre a Diageo

A Diageo é líder mundial no segmento de bebidas alcoólicas premium, com uma coleção de marcas nas categorias de bebidas destiladas e cervejas. O portfólio inclui marcas como Smirnoff, Johnnie Walker, Guinness, Baileys, Cîroc, Tanqueray, Old Parr, entre outras, e localmente a cachaça Ypióca. A Diageo é uma empresa multinacional que opera em 180 países. As ações da companhia são negociadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque (DEO) e na Bolsa de Valores de Londres (DGE). Para mais informações sobre a Diageo, seus funcionários, suas marcas e seu desempenho, visite www.DIAGEO.com. Saiba mais sobre consumo responsável de bebidas alcoólicas em www.DrinkiQ.com.br. Beba com inteligência. Não compartilhe com menores de 18 anos.
  •  Aprecie com moderação.
  • Se beber não dirija.
  • Não compartilhe este conteúdo com menores de 18 anos.